Educação sexual: O conhecimento é a melhor saída

educação sexualA educação sexual facilita o entendimento do seu comportamento, melhora sua autoestima, afeto e responsabilidade. Mais que um controle da natalidade ou a negação da sua sexualidade, a educação sexual tem que estar dentro de um contexto amplo do relacionamento pessoal, social, político. Para que o adolescente possa ter uma atividade sexual enriquecedora, sadia e responsável.

A Educação Sexual deve ser séria, com embasamento científico, discussão franca e adulta. A qual se torna uma defesa do adolescente contra uma gravidez indesejada e também de doenças sexualmente transmissíveis.

EDUCAÇÃO SEXUAL E ATITUDE

educação sexualQuando se atinge a idade fértil sem conhecimento de seu próprio corpo e do seu funcionamento, dificilmente esse indivíduo terá elementos necessários para conseguir um controle adequado da sua fertilidade. O conhecimento dentro da educação sexual deve se assimilado em mudanças de atitude.

Todo o adolescente busca uma identidade sólida, porém a exposição à mídia, mudanças físicas, primeiras questões sobre sexo, relação com o corpo acontece na infância e nem sempre esses recebem a devida instrução em casa com os pais. A gravidez precoce e não planejada é um agravante de risco para a manutenção da saúde mental dos adolescentes.

educação sexualO que fazer nessa situação de risco? Transformar essa situação em crescimento e amadurecimento para o adolescente. Fortalecer o vínculo amoroso com o companheiro, apoio familiar, assistência pré-natal em uma unidade de saúde. Devido a todos esses fatores, não só os profissionais de saúde, mas também cada um de nós devemos estar preparados para abordarmos de forma clara esse tema. A participação da família, escola, área de saúde e sociedade no processo de educação é de extrema importância para que esses casos não ocorram com tanta frequência.

Leia também:
Aborto na adolescência: Porque existe esse problema?

Estrias na gravidez, como evitar

As configurações de famílias na atualidade – Parte 03

O aluno como centro da aula: Uma novo desafio

Tecnologia na educação: Professores x Alunos – Parte 02